Doping e controle antidoping em eventos esportivos

Entenda o que é doping e como o controle antidoping acontecerá nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Falta menos de 1o dias para os Jogos Olímpicos de Verão Rio 2016. Independente de achar se valeriam ou não a pena econômica e socialmente, a questão é que eles estão aí. Em 25 de julho, a Vila Olímpica foi aberta aos atletas e o trabalho do controle de doping já se inicia. Se a promessa se concretizar, mais de 4500 exames de controle serão feitos. Mas o que exatamente doping significa?

Doping é o ato de usar qualquer substância que aumente a performance do atleta e existe uma lista destas substâncias. A WADA (World Anti-Doping Agency) caracteriza doping como a violação de uma ou mais regras que fazem parte do Código Anti-doping. Essa lista compreende desde o uso de substâncias proibidas (como anabolizantes, diuréticos, drogas e eritropoetina) até tráfico ou posse dessas substâncias. Se alguém da equipe é cúmplice no uso de doping, isso também configura violação do Código. Até o fato do atleta não conseguir ser localizado para realizar testes “fora-de-competição” também é uma violação. Qualquer substância que o atleta use é de inteira responsabilidade dele.

A WADA preconiza testes dentro e fora de competição. Mas o que você talvez não saiba é que os atletas de nível internacional também precisam sempre atualizar sua localização, pois eles devem se manter disponíveis para os testes realizados fora de competição. Esses controles podem acontecer em qualquer lugar, a qualquer hora, sem aviso prévio. Independente de qual exame for positivo (dentro ou fora), o atleta vai responder e sofrer as consequências.

Existem várias categorias de doping. Os esteroides anabolizantes são os mais famosos, mas outras drogas como estimulantes, agentes mascarantes como os diuréticos, substâncias para melhorar a utilização de oxigênio pelas células como a eritropoetina e até mesmo transfusão de sangue. A lista é longa, atualizada anualmente é encontrada no site da WADA.

Você pode se perguntar: “se um atleta sofre um acidente, ou é internado, e precisa tomar algum remédio que pode ser considerado doping?”. Então, o médico responsável por esse atleta faz um relatório, chamado TUE (therapeutic use exemption), onde é explicado tudo que aconteceu com atleta e todos os medicamentos que o ele precisou ou precisa tomar. Esse relatório é entregue à Comissão Médica antes do jogos começarem para análise. Caso esse atleta faça o controle e acuse alguma substância, a TUE serve como defesa.

Se você tem curiosidade de saber como a coleta de urina acontece num controle de doping, acesse o vídeo informativo da WADA para saber mais.