Dieta rica em proteína afeta o rim?

dieta_hiperporteica_afeta_rim_nutroesporte

 

    É normal encontrar pessoas e até profissionais da área de saúde que afirmam categoricamente que muita proteína causa sobrecarga renal, levando a insuficiência renal. E do outro lado, vemos muitos praticantes de exercício, principalmente musculação, com seus perfis do Instagram cheios de receita com whey protein e várias claras de ovo. Quem está certo? Comer muita proteína pode detonar seus rins?
Para responder essa questão, busquei na literatura médica a resposta é talvez ela desagrade a alguns: não, comer muita proteína não necessariamente prejudica a saúde dos rins.
Ao ir atrás dessa resposta, percebi que muitos artigos se referem a pesquisa com animais e, neles, algumas espécies tiverem a função renal piorada quando consumiam dietas hiperproteicas. Esses estudos extrapolaram os resultados para os humanos, dizendo que o que aconteceu em animais poderia acontecer conosco. A função normal é pesquisada através dos níveis de ureia, creatinina e da taxa de filtração do rim, além de parâmetros secundários de menor expressão.
Já é sabido que pessoas que tenham alteração da função renal não se beneficiam de dieta ricas em proteínas e isso pode até prejudicar a saúde. Aqui, vamos discutir o papel da dieta hiperproteicas em pessoas sem disfunção renal. E, por isso, quando cheguei aos estudos com humanos, o primeiro passo que dei foi separar os grupos. Se estamos falando de saúde esportiva, vamos falar de atletas, praticantes de exercício ou pessoas querendo emagrecer, e que tenham função renal normal.
Sobre esse grupo, os trabalhos são inconclusivos. A maioria mostra aumento da taxa de filtração, ou aumento em algum parâmetro secundários, mas nenhum foi capaz de provar que muita proteína deteriora o rim. Fica mais difícil ainda de analisar, porque estudos diferentes têm opiniões diferentes sobre o mesmo assunto: quando falamos de diabéticos, alguns trabalhos mostram que já pode existir alterações subclínicas na função renal e que pessoas diabéticas poderiam ter o rim prejudicado com a ingestão de muita proteína. Porém, outro trabalho mostrou exatamente o contrário: pelo fato da maioria dos diabéticos estar acima do peso, a dieta hiperproteicas os ajudou a perder peso, melhorar a glicemia e, consequentemente, a saúde renal.
Outras questões surgiram, como sobrecarga renal com uso de whey protein e creatina. Os estudos mostram que esses suplementos não alteraram a função renal e seus benefícios justificam seu uso. Para lembrar dos benefícios, leia mais sobre whey protein e cretina na nossa série “Explicando os suplementos” (clique aqui, aqui também e aqui mais uma vez).
Quando analisamos as recomendações para consumo de proteína, a International Society Of Sports Nutrition diz que pessoas praticantes regulares de exercício físico podem consumir mais proteínas que pessoas sedentárias. E que esse consumo maior seria até necessário para a adaptação do corpo aos treinos e melhora da composição corporal. Além disso, uma dieta rica em proteína, fazendo parte de uma dieta balanceada em carboidratos e gorduras boas, não traria qualquer prejuízo à saúde renal e ao metabolismo ósseo.
Eu vejo muitos colegas médicos e nutricionistas postarem sobre os malefícios do uso de whey protein e de dietas hiperproteicas sem orientação profissional. Quem não garante que essa falta de orientação também não está no uso de anabolizantes? A literatura médica é muita rica em descrever doença renal grave em usuários de anabolizantes, infelizmente, muito frequentes nas academias. Portanto, antes de culpar a dieta com muita proteína ou o suplemento, tente descobrir se seu cliente fez ou faz uso de anabolizantes. A saúde renal, assim como todo o organismo, pode estar sendo afetada por outro motivo! Só lembrando, os profissionais aptos a prescrever suplementos e dar orientação quanto à alimentação são os médicos nutrólogos e nutricionistas. Fisioterapeutas e educadores físicos têm outras capacidades técnicas, sendo que prescrever dieta e suplementos não faz parte delas.